30 março 2011

Cena - trabalho da pós

Ok: o trabalho era fazer uma sinopse de um filme baseado em alguma cena urbana que eu tivesse visto.



A guerra acabou. Um soldado, em meio à ruínas, encontra-se sozinho na área central da cidade arrasada  por bombardeios que duraram muito mais anos que deviam.
Agora, resta apenas um silêncio empoeirado; uma mistura de terror e paz.
Acabou. Ele pega a navalha, olha seu reflexo na lâmina velha e ali mesmo, cansado e sujo, embaixo de uma sacada aos pedaços, respira fundo, leva a lâmina trêmula ao pescoço e barbeia-se a seco.
É chegada a hora de voltar para casa, para sua família. É chegada a hora, também, de se sentir mais humano, de aprontar a vaidade para aquele abraço caloroso e apaixonado de sua esposa.


28 março 2011

Esperança

Estava lendo um livro meio louco que, de verdade, não estou gostando muito. Enfim, em um dos textos ele fala uma coisa que achei interessante, apesar de nada simples.
O cara diz que nós vivemos de esperança. A palavra vem de "esperar", o que significa que vivemos no futuro, esperando por algo melhor e esquecemos de viver o hoje.
Ok, entendi.
Mas... pergunto: nesse mundo capitalista que vivemos, será que dá pra não planejar tanto o futuro como fazemos?
O cara insiste muuuuito nesse lance de que futuro não existe, só existe o agora.
Ok, novamente, entendi!
Mas e aí? Como que a gente faz? Vira monge? Hippie?
Na boa, a teoria da coisa é legal... a gente tem que parar de projetar a nossa alegria para um dia que nunca chega e começar a ser feliz agora, todos os dia. É simples. Mas como diz o Toquinho, o simples não é fácil! Aliás, o simples pode ser bem difícil!

24 março 2011

Desespero!!!

Por que será que a reação de algumas pessoas em pleno desespero é de rir?
Sabe quando você se sente tão cansado, tão exausto, que já nem consegue mais ficar parado? Parece que o corpo entra em estado de alerta e você se vê energizado de tanto sono. É meio doido, né?

Só sei que, desde que voltei do Rio, o que mais sinto é cansaço. Tudo bem que foi uma avalanche de acontecimentos.
mais fotos: clique aqui 

Pra quem não sabe, montamos o Camarote da Brahma. Sim, eu fui pro Rio no carnaval. Não, eu não fui pra me divertir. Trabalhei pacas, queimei a perna (está machucada até hoje), caí com direito a ralada de joelho, subi lances e mais lances de escada, carreguei coisa, colei uns mil cartões postais em uma estrutura de mais de 14m - com a abençoada ajuda e companhia do André - e voltei pra SP pra mais acontecimentos que me tiraram o resto da energia que tinha me sobrado.

Depois disso tudo, eu merecia um descanso, não?
Não.

Fui jogada num projeto chato que, na verdade, são 18 projetos diferentes. Não consegui passar do 5o, porque sempre volto pro primeiro e acabo ficando mexendo nesses 5 projetos ao mesmo tempo.
É sério, eu só queria algumas noites de sono... Mas já que não tem, o jeito é cair na risada! rs

23 março 2011

Acontece...

Acho que estou ficando viciada em escrever aqui...

22 março 2011

My Path

Tenho uma cabeça que não desliga por natureza, mas tenho pensado mais que o normal sobre a vida. Sobre a minha vida, minha trajetória até aqui.

E devo dizer que, olhando para o meu passado, não tenho muitos arrependimentos. Isso é bom! :)
A felicidade que conquistei até agora foi sempre digna, mesmo que não seja plena, mas eu chego lá!

Disseram que eu preciso me ver melhor, porque sou melhor do que aquilo que vejo. Eu, por outro lado, prefiro sempre olhar para os erros que cometi, para tentar não errar de novo. Apesar de ver isso pelo lado positivo, achou que chegou a hora de parar de olhar pra tudo o que errei e começar a ver tudo o que acertei. E, acredite, a gente acerta mais do que imagina.
Dei sorte na vida, tenho amigos preciosos! Alguns são meio lesados, outros sentimentais, outros carinhosos, outros um pouco distantes, mas todos eles tem uma coisa em comum: eles me entendem! E, melhor, eles me fazem rir. Gosto de rir... rs

16 março 2011

A Bota

Pra mim, levar uma bota é uma coisa cheeeeeeeeeeia de significados. É um momento que marca, sabe?
Levar uma bota pode não significar muito para algumas pessoas, mas é algo que muda o seu dia.
Surgem vários questionamentos, reflexões internas e de como proceder depois.A bota pode mexer com a confiança, alegria e trazer um pouquinho de depressão, afinal é uma coisa que exigiu investimento e que você vê indo pro ralo.
O que vai ser da minha vida depois de mais uma bota? Ah! A lotação do meu armário não gostou muito, mas posso dizer que me sinto poderosa com a minha bota nova.

Você achou que eu tava falando do quê?

10 março 2011

Eu Fico

Coisas ruins acontecem a todo mundo em todo lugar. Pode ter certeza, o seu problema não é o maior do mundo, nem é o meu.
A questão é sair da CNTP (Condições Normais de Temperatura e Pressão - me disseram que é muito "nerd" da minha parte falar assim, mas enfim...). Eu saí da minha condição confortável para experimentos e agora, mais que nunca, sinto que deveria experimentar algo. Morar no exterior? Voltar pro cabelo ruivo? Finalmente encarar um regime? Não sei... aliás, não faço muita idéia, e acho que é essa a vantagem. 
Tenho uma pós que me prende por mais 1 ano e meio, o que me norteia um pouco por moldar asas que não posso usar de imediato, senão eu já estaria sei-lá-onde!
A questão é que a minha cabeça está sempre muito longe, a concentração é algo impossível e comer qualquer coisa parece pedra caindo num estômago retorcido e indiferente. O que pode ajudar na idéia do regime... hã?


Tá, eu já passei por piores... Por MUITO piores, na verdade. Mesmo assim não entendo algumas reações, como essa falta total de apetite e esse sapato velho no estômago, que são novidade pra mim. Não sei porque estou sendo tão chorona e boba. Talvez por ter sido pega de surpresa, talvez por esse ser diferente, talvez por eu estar num momento da vida onde tudo estava finalmente nos eixos e de repente não está. Como se não tivesse esse direito. 
Se tudo está bem é porque tem algo errado. Acho que, apesar das dificuldades no meu trabalho, eu estava bem... O mais engraçado é que eu sempre me achei merecedora de mais, sempre quis mais.... - E por mais presunçoso que isso soe, não é tão assim -  e sempre fiz mais por todo mundo (menos por mim) para um dia ter uma recompensa (que nunca veio)... Já perdi gente demais, metade da minha família já se foi! Até cachorro, coelho e papagaio já foram... Perdi a minha gata recentemente, perdi namorados e marido. Alguns fiz perder, outros perdi sem opção de escolha. Aí fica aquela sensação de total impotência e é sempre inevitável lembrar do meu pai, de como me senti quando o perdi sem nem ter chance de me despedir...


Mas voltando à questão de ser ou não merecedora, recebi uma das mensagens mais lindas na noite passada:


"Você foi sincera e leal. Você foi íntegra e plena. Você foi e é a Mayte. Nós te amamos por você ser você, desse jeito! Sem tirar nem pôr... Não daria para ser menos, esperar menos, se contentar com menos. Você é mais! Merece mais! (...)"


Se fui merecedora dessa mensagem, acho que alguém eu cativei e isso já me vale um monte!
E por mais boba e intensa que eu seja, não acho que vou perder essa mania de amar demais, de me entregar demais e, eventualmente, cativar alguém pra levar comigo pela vida.


Pessoas vêm e vão... algumas ficam. Quem me conhece, sabe: eu sempre fico - mesmo que a outra pessoa se vá.