26 abril 2011

Nao-Lugar

Isso é só um desabafo de alguém que quer se encontrar amparado pela própria cama e não consegue. Escrevo porque não há nada melhor que se desprender de um pensamento e se sentir mais leve. Parece estranho ou até exagerado pra quem vê de fora, mas a sensação que tenho de não-lugar é forte demais e me deixa em constante escapismo do lugar que era pra ser meu.

Já faz um tempo me sinto sem casa, sem um lugar que faça sentido.
Tenho estado em busca por um lugar que seja meu, que eu queira ter as minhas coisas e que eu encontre a minha paz.

18 abril 2011

Necessito

Necessito escrever um pouco, só pra direcionar os pensamentos para outra coisa que não seja o que venho pensando.
Não, eu não quero me matar e não estou pensando nisso. rs (só pra esclarecer)

E, não, não estou sofrendo por amor nem angústia nem nada disso, só estou cansada.

Acho que preciso de férias. Preciso fazer NADA um pouco... e, quem sabe, fazer um mergulho profundo e achar algumas respostas dentro de mim. De um mês pra cá, já encontrei muitas. Entendi porque, muitas vezes, faço e ajo de maneira que não entendia antes...
Ainda assim, a busca continua. Não que eu queira buscar a perfeição, acho que isso é inatingível e sem graça. Mas é sempre bom a gente se resolver com as questões pendentes, né?

Venho descobrindo que fatos passados tem uma influência muito maior em quem somos do que eu imaginava.
Olhando profundamente para o modelo que tivemos e o modo como crescemos, é muito mais fácil - apesar de complexo - de entender as ações. E isso vale para quem vive/viveu perto de mim também.
Sim, a gente busca por modelos.... seguimos o modelo dos nossos pais, todo mundo sabe disso. Se eles são separados ou distantes, tendemos a ser distantes ou não acreditar em relacionamentos. Eu tento contrariar as ações dos meus pais. Até certo ponto, eu acho que consigo... mas aí quando olho mais a fundo, descubro que o modelo que deixei de seguir aqui e ali, na verdade é seguido, sim, num âmbito maior e mais complexo (e muito menos óbvio).
É, não é fácil... mas é um caminho válido que resolvi tomar, mesmo que às vezes seja dolorido cutucar as feridas.
Sigo buscando respostas... eu sou assim mesmo! rs

06 abril 2011

Desejo Repartido

LADY MACBETH - Tudo é perdido, quando o desejo fica repartido


Sim, estou lendo Macbeth. Essa frase é genial, gente!!!


Alguém que me conhece do avesso me falou muito sobre o desejo. Não estou falando do desejo carnal, mas do desejo íntimo, de saber o que quer.
Pessoas que negam (ou desconhecem) o seu desejo, hesitam. Elas deixam de agir por puro medo.
Não vou fazer discurso Lacan nem Freud, mesmo porque não é a minha praia. A questão é que algumas pessoas passam a vida toda tentando preencher todos os espaços para não deixar margem pra erro e imperfeição; não aceitam que somos todos imperfeitos e que TUDO BEM!
Olha, só posso dizer que não quero passar minha vida sem saber o que quero. Aliás, eu sei o que eu quero!
Temo por aqueles que passarão a vida sem saber o que querem e tapando todos os buracos enquanto a vida passa... São pessoas que racionalizam tudo por medo de sentir! Qual é o problema em sentir vontade? Não entendo. Essa ansiedade de fazer tudo certo vai levá-las a não fazer NADA. Só lamento.


Quanto a mim, toco a minha vida buscando felicidade sem arrependimentos! 
Momento merchan: para mais sobre o assunto "buscar a felicidade", acesse o texto Good Vibrations, de minha autoria neste mesmo blog! rs É só clicar! :)  rs

05 abril 2011

Merece?

"Many that live deserve death, and some that die deserve life. Can you give it to them, Frodo?
Do not be too eager to deal out death in judgment. Even the very wise can not see all ends."



Senso de justiça, revolta, merecimento. Por que será que algumas coisas me indignam tanto? Essa frase a cima é do filme O Senhor dos Anéis e fala sobre o não-julgamento. Lembro que ela me chamou demais a atenção quando li o livro, em português, claro:


"Merece!? Suponho que sim. Muitos que vivem merecem morrer. E alguns, que merecem viver, morrem. Você pode dar-lhes a vida? Então, não seja tão ávido para condenar à morte em nome da justiça, temendo pela própria segurança. Nem mesmo os sábios conseguem ver os dois lados." 


Quando um sábio da ficção se coloca a dizer que nem os sábios sabem ver os dois lados, você para pra pensar. Claro que minha vidinha não é ficção, muito embora às vezes pareça (bastante)!
Questões como quem merece viver ou morrer não ocupam a minha mente. Não desejo a morte de ninguém e, pelos meus próprios princípios e crenças, não acho que a morte deva ser tratada como punição, nem a vida como bênção.
De qualquer maneira, me chama a atenção como algumas injustiças tão visíveis continuam a acontecer. É impressionante como a postura das pessoas possa ser tão errada e ainda assim sair impune. Não é certo.




Meu senso de justiça é assim mesmo.




Melhor nem começar a divagar...